07 junho 2006

Se Lembro o Tempo de Quebra...



Pedro Simon diz que está no páreo e promete manter sua pré-candidatura à presidência da República. Pantomima.
Simon apenas marca posição na mídia, dando uma de Itamar, de olho mesmo é na candidatura ao Senado Federal. Esse faz-de-conta sabota a credibilidade dos homens públicos. Brincam com o povo. Duvido que aquele a quem os gaúchos não se arriscariam eleger governador outra vez acredite, ele mesmo, que possa ser escolhido pelos brasileiros para governá-los.
O PMDB é praga na lavoura gaúcha.
Vejamos sobre isso alguns dados da pesquisa do sindicato dos técnicos do tesouro do estado (Afocefe): quando governador do Rio Grande do Sul (1987-1990), Pedro Simon jogou o PIB gaúcho no buraco. Nosso PIB empobreceu em quase 1%, nos quatro anos de Simon, enquanto, no mesmo período, o PIB nacional crescia 6,70%. Isto é, a riqueza do Brasil subia, e a dos gaúchos desandava ladeira abaixo.
Sucedendo Simon (pelo PMDB), veio Brito – o grande comerciante do patrimônio público. Foram os quatro sofridos anos da dissipação. Vendeu tudo o que pôde e mesmo assim estancou o nosso PIB. Nos quatro anos de Brito, tivemos míseros 0,69% de crescimento do PIB, enquanto o PIB nacional subia 10,60%.
Agora, sob Rigotto, o homem que desativou a fiscalização e abriu a avenida da sonegação-sul
, para a festança dos “sem nota fiscal”, também o nosso PIB está padecendo de raquitismo e perde feio, com um crescimento medíocre de 2,70%, medido até o final do ano passado, em comparação com 8,22% de crescimento do PIB nacional no mesmo período.
A sina maldita do Rio Grande do Sul, sob os governos do PMDB, é imitar o rabo de cavalo e crescer para baixo.
Numa palavra, nos 11 anos somados de governos peemedebistas aqui nos pampas, o crescimento do PIB ficou em mirrados 2,56%, enquanto no mesmo espaço de tempo o PIB nacional avançou 27,71%. Mais de dez vezes o PIB gaúcho.
O PMDB faz mal ao Rio Grande do Sul.
Por que Simon seria bom para o Brasil? Ou para o Rio Grande do Sul?
Na postagem seguinte, vou argumentar sobre como o raquitismo do nosso PIB, sob os governos desastrosos do PMDB, jogou tantos gaúchos na rua da amargura. Nunca se viu o desemprego campear tão solto.
Meus conterrâneos da velha província de São Pedro, se o que digo é falso, podem jogar as pedras. Mas se é verdade, não está passada a hora de mandar esses homens para casa, com todos os seus currículos e medalhas?
É hora de dar um basta à quebradeira de um estado cuja vocação é ser grande, como nos incita a linda canção:

"Se lembro o tempo de quebra/ A vida volta prá trás/ Sou bagual que não se entrega/ Assim no mais".

2 comentários:

Josefap disse...

Caro Moacir, a respeito do texto do Simon, vejo uma certa discrepância nos seus comentários, no mesmo momento em que vc afirma que o PIB gaúcho "despencava ladeira abaixo" por ter um valor negativo de 1%, após vc fala que teve um crescimento rídiculo de 2,5%, ora, seu parâmeto não tem nexo algum. Ao gabar-se do crescimento do PIB nacional, esquece, propriamente, de mencionar que o brasíl (do governo LULA) foi o que menos cresceu da América Latina, perdendo inclusive para o Haiti, onde a miséria e a falta de recursos é fato público e notório. Além do mais, este governo federal do PT, apresentou ao país o maior esquema de corrupção de todos os tempos, roubaram dinheiro público escancaradamente pra fins próprios, com objetivo de eternizarem-se no poder, e só não vê quem não quer ver mesmo. Este cepticismo apaga a verdade escancarada - o governo federal é um desastre, agora, só faltou mesmo o lema "Roubo mas faço" nas propaganda políticas atuais, por sinal, feitas com dinheiro público. Mas, em uma coisa eu concordo com o senhor.. "Chega, está na hora de dar um basta" e podemos começar votando para presidente adequadamente...

Moacir Leão disse...

Obrigado, José, pela crítica.
O 1% de crescimento negativo do PIB deu-se no governo Simon. O pequeno crescimento do PIB gaúcho, de 2,5% refere-se ao governo Rigotto, até 2005.
Sobre a corrupção no Brasil, falo em outros posts no blog, pode conferir. Não esqueci mesmo, se esquecesse seria indesculpável.
Aparece sempre por aqui, sua indignação tem todo o espaço neste blog.
Moacir